segunda-feira, 11 de outubro de 2010

A GUERRA DO TRÁFICO continua no Morro da Serrinha, em Madureira

.
Desde sexta feira os moradores do Morro da Serrinha convivem com intenso tiroteio, resultado de uma GUERRA DE TRAFICANTES, criminosos do Morro do São José estão tentando invadir a comunidade.

Pergunta, por que Sérgio Cabral consegue pacificar "certas" comunidades em horas, sem disparar um tiro, e não consegue acabar com essa GUERRA DO TRÁFICO que já dura mais de 4 dias no Morro da Serrinha ?

Clique e veja o vídeo do G1.com




Reprodução do Globo on line.

Um novo tiroteio, na tarde desta segunda-feira (11), assustou moradores da Favela da Serrinha, em Madureira, no subúrbio do Rio de Janeiro. Segundo policiais do 41º BPM (Irajá), os tiros teriam sido disparados por traficantes que estariam escondidos num matagal que fica atrás da comunidade. Testemunhas contaram que ouviram vários disparos por volta das 15h.

Desde sexta-feira (8), moradores da região vivem momentos de tensão e dizem ouvir tiros todos os dias. De acordo com o 41º BPM, os confrontos são entre traficantes rivais. Criminosos do Morro São José estariam tentando tomar o ponto de venda de drogas do Morro da Serrinha. A PM continua ocupando os principais acessos às comunidades.

Policiais militares do 41º BPM contam com o apoio de dois carros blindados. Testemunhas informaram que há intensa troca de tiros e os disparos conseguem ser ouvidos na Avenida Ministro Edgar Romero, na proximidade do morro. Ainda não há informações de feridos, nem presos.

Segundo a PM, os disparos ouvidos na tarde desta segunda-feira foram rápidos e não teria deixado feridos. O batalhão afirmou que os policiais não chegaram a trocar tiros com os traficantes.

Tiros mudam rotina de moradores
Em uma gravação, feita por um morador, é possível ouvir a quantidade de rajadas de tiros. No fim da tarde de domingo (10), a situação era parecida. Muitos tiros também foram ouvidos.

Quem ainda voltava para casa contou como tem sido conviver no meio dessa guerra entre traficantes.

“Dá medo, tem que dar medo porque sabe que a nossa vida é uma só. Qualquer bala arrebenta ela”, disse um morador.

“Tem que andar escorado nos muros e no pior dos piores, se jogar no chão e aguardar, esperar, como diz, a poeira baixar”, contou outro morador.

Um aposentado, que há 53 anos mora no Morro São José, afirmou que ia dormir fora de casa por conta do medo. “Eu saí agora para ir a um bailezinho, um garoto me perguntou: 'Mais velho, vai sair agora?’, e eu disse: ‘Vou’. ‘Não volta não que mais tarde a gente vai tomar uma decisão de quem é que vai tomar conta do morro’. Então eu estou saindo agora e vou ser obrigado a dormir num motel”, disse ele.

Apesar da apreensão no local, a manhã de segunda-feira era de aparente tranquilidade. No entanto, moradores dizem que os tiroteios ocorrem em vários momentos do dia. A polícia afirmou que não houve tiroteios na Favela da Serrinha pela manhã.

Um comentário:

  1. essas guerra no rio de janeiro isso tudo esta acontecendo por calsa das upp que sergio cabral esta colocando nas comunidades do rio

    ResponderExcluir